Capitão da PM lotado em Parnaíba é preso dentro de ônibus por importunação sexual imprimir publicado em: 14 / 10 / 2019

Um capitão da Polícia Militar foi preso em flagrante no último sábado (12), por importunar sexualmente uma passageira dentro de um ônibus da empresa Guanabara, na cidade de Piripiri, a 165 km de Teresina. O capitão é lotado no 2º Batalhão da Polícia Militar, em Parnaíba.

O major Erisvaldo Viana, comandante do Batalhão da Polícia Militar de Piripiri, acompanhou a ocorrência e relatou os fatos ao O Dia. Segundo ele, a passageira teria acusado o capitão de tocar em suas partes íntimas dentro do ônibus.

O suspeito foi identificado como capitão Castro, lotado no 2º BPM, lotado em Parnaíba. (Reprodução/WhatsApp)

“Essa senhora o acusou de importunação sexual e como ela estava muito nervosa, resolvi enviar a viatura e levá-lo para o Distrito Policial e lá foi feita a autuação em flagrante. Ele se defende e diz que não fez nada disso, mas como existia a denúncia, achei melhor proceder com o flagrante para que ele mesmo faça a sua defesa em juízo”, relata o major.

O capitão suspeito de ter cometido o crime possui mais de 30 anos na Polícia Militar e é pastor de uma igreja evangélica. O crime teria acontecido dentro de um ônibus que fazia linha entre Teresina e Parnaíba. Segundo a PM, o capitão estava na Capital para dar entrada no seu processo de aposentadoria.

Em nota, a Polícia Militar do Estado do Piauí informa que, por se tratar de um crime comum, as providências legais que o caso requer estão sendo tomadas pela Polícia Judiciária. “A PMPI assim que receber o procedimento, tomará todas as medidas cabíveis, dando ao policial militar acusado direito a ampla defesa e o contraditório, dentro do que rege a legislação Castrense”, destaca corporação.

Importunação sexual

A lei de importunação sexual, de setembro de 2018, torna crime “praticar contra alguém e sem sua anuência ato libidinoso com objetivo de satisfazer a própria lascívia ou a de terceiro”. A pena é de reclusão de 1 a 5 anos, se o ato não constitui crime mais grave.

Nota da PM

A Polícia Militar do Estado do Piauí informa que por se tratar de um crime comum, as providências legais que o caso requer  estão sendo tomadas pela Polícia Judiciária e que a PMPI  assim que  receber o procedimento, tomará todas as medidas cabíveis, dando ao policial militar  acusado direito a ampla defesa e o contraditório,  dentro do que rege a legislação Castrense.

Teresina-PI, 13 de outubro  de 2019.

ELZA Rodrigues Ferreira – TC PM Diretora de Comunicação Social da PMPI

Por: Nathalia Amaral | Portal ODIA

,

PUBLICIDADE

REDE SOCIAl

PUBLICIDADE

últimas