ALERTA – CONTEÚDO ADULTO – Sexo durante a pandemia é seguro?

O Covid-19 mudou a rotina e a vida da população do mundo todo. Se antes éramos acostumados a nos cumprimentar, abraçar e beijar, agora esses gestos, que parecem tão simples, estão praticamente proibidos. Uma das principais recomendações da Organização Mundial de Saúde (OMS) para tentar conter o coronavírus é manter-se em distanciamento social e evitar aproximação de outras pessoas.

Mas como ficam os casais de namorados, marido e mulher, ficantes e afins? A recomendação é válida para todos, com algumas ressalvas. O urologista Giuliano Aita explica que nesse momento de pandemia é possível ter vida sexual, desde que os parceiros sigam algumas orientações de higiene e cuidados. 

O especialista enfatiza que ainda não há evidências científicas que comprovem a transmissão da doença por meio do contato sexual. Contudo, sabe-se que o vírus está presente na saliva, urina e fezes, que são potenciais transmissores do Covid-19.

“O beijo e o contato próximo face a face podem, sim, serem responsáveis pela transmissão da doença. Já a penetração, propriamente dita, não transmite, pois o vírus não foi identificado no sêmen nem na secreção vaginal. Mas temos que considerar que a atividade sexual não é somente a relação íntima, mas também o contato mais próximo, o beijar. Então se essa relação for entre pessoas que estão no mesmo lar e estão em distanciamento social, que tenham a convicção dos atos de prevenção e higiene deste parceiro, tudo bem”, pontua.

Contudo, se os parceiros tiveram uma relação estável, no qual a pessoa não habita o mesmo lar, o ideal é que não tenham relações sexuais, exatamente para evitar esse potencial transmissor do coronavírus.

Todavia, é possível olhar esta situação por outro ângulo e tirar algum proveito desse distanciamento. Muitos casais estão buscando alternativas para driblar o isolamento e manter o contato e a relação. Uma dessas opções são as videochamadas, que possibilitam não somente ouvir a voz como ver seu parceiro.

Que tal aproveitar este momento para si?

Com o distanciamento do outro, esta pode ser uma excelente oportunidade para conhecer melhor seu corpo e desejos. O departamento de saúde da prefeitura de Nova York, nos Estados Unidos, por exemplo, divulgou uma cartilha para orientar os moradores sobre questões sexuais durante a quarentena provocada pelo coronavírus. E uma das principais recomendações é que as pessoas invistam na masturbação.

“O manual destacou as práticas sexuais mais seguras neste período e o primeiro item desta cartilha é destacando que o parceiro sexual mais seguro é você mesmo. A masturbação é extremamente segura, o mais seguro neste momento. Obviamente deve-se ter o cuidado com o asseio, tanto antes quanto depois, e isso é válido para as relações sexuais”, frisa Giuliano Aita.

O cuidado se estende não somente ao asseio das mãos, mas de brinquedos sexuais que possam ser utilizados. Aliás, estes adereços também estão em alta e podem ser uma excelente companhia neste momento de isolamento e quarentena.

“Outro dado aponta que a venda de brinquedos sexuais está em alta principalmente em e-commerce. Devido ao isolamento, as pessoas estão buscando outras formas de se satisfazer, especialmente quem tem uma relação eventual ou até mesmo estável, mas que more distante. Inclusive, essas demonstrações afetuosas têm sido feitas de outras formas, como chamada de vídeo. E como as pessoas estão ficando sozinhas, talvez essas sejam alternativas para elas extravasam. É até uma forma delas se conhecerem melhor, um momento de amadurecer a própria relação”, completa o urologista Giuliano Aita.

Por: Isabela Lopes | Portal ODia

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.