Ex-coronel Correia Lima pode ir para casa após 20 anos preso

O ex-coronel José Viriato Correia Lima, considerado chefe do crime organizado do Piauí, pode receber o benefício de prisão domiciliar após 20 anos cumprindo condenações em regime fechado. A defesa de Correia Lima requereu o relaxamento da prisão alegando o crescimento da taxa de detentos infectados pela Covid-19 na Penitenciária Mista Fontes Ibiapina, em Parnaíba, onde o réu está preso.

Segundo a Secretaria de Estado da Justiça (Sejus), 50 detentos dessa unidade prisional já testaram positivo para a doença. Os advogados de Correia Lima explicaram ainda no pedido que, aos 67 anos de idade, o ex-coronel é cardiopata e hipertenso e, por isso, está incluído no grupo de risco da Covid-19.

O Ministério Público analisou o pedido e apresentou nessa quinta-feira (18) parecer favorável a prisão domiciliar temporária de Correia Lima. O promotor Rômulo Paulo Cordão explicou em sua decisão que o réu se enquadra na recomendação do Conselho Nacional de Justiça para que presos do grupo de risco cumpram prisão domiciliar e destacou a superlotação da Penitenciária de Parnaíba.

Após o parecer do MP, a juíza Maria do Perpétuo Socorro Ivani de Vasconcelos, da comarca de Parnaíba, intimou a defesa do ex-coronel para que seja apresentado o endereço de Correia Lima no município de Paraíba, uma vez que o endereço cadastrado no Tribunal de Justiça é referência a uma residência em Teresina.

O advogado Wendel Oliveira explicou que o ex-coronel não possui mais familiares residindo no Piauí e vai requerer que a prisão domiciliar seja cumprida no município de Iguatu-CE, cidade natural de Correia lima. “O presídio tem inúmeros infectados. O coronel é portador de diversas comorbidades como todo mundo tem conhecimento. Como o coronel não tem familiares no estado do Piauí e, sim, tão somente, na comarca de Iguatu, a assessoria jurídica vai peticionar o endereço de Iguatu”, disse.

Correia Lima

José Viriato Correia Lima é condenado a 129 anos e 8 meses de prisão por diversos crimes que cometeu quando era coronel da Polícia Militar do Piauí. Alvo de operação da Polícia Federal, foi preso em 1999 e segue preso por comandar um poder paralelo que atuava em assassinatos, frades em prefeituras municipais e falsificação de dinheiro e roubos.

Por: Otávio Neto | Portal ODia

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.