Piauí tem menor índice de assassinatos contra mulheres no Brasil

Especial Notícias

Ddos do estudo Mapa da Violência- Homicídio de Mulheres 2015- apontam que o Piauí registrou os menores índices de assassinatos de mulheres entre os anos de 2003 e 2013. O levantamento foi divulgado na manhã de hoje (9) e compara, dentre outros pontos, a vitimização da mulher de cor branca e negra, além do número da população agredida por pessoas conhecidas e desconhecidas pela vítima.Piauí tem menor índice de assassinatos contra mulheres no Brasil

A pesquisa constatou que o número de feminicídio ocorre num ritmo crescente ao longo do tempo, tanto em número quanto em taxas. Entre 2003 e 2013, o índice de vítimas do sexo feminino no Brasil passou de 3.937 para 4.762, o que reflete aumento de 21% nos casos.

Segundo o Mapa da Violência, em dez anos foram mortas no Piauí 399 mulheres. Comparando com as taxas nacionais, o Estado está em 26º lugar no triste ranking de assassinatos, com 2,9 assassinatos a cada 100 mil mulheres. Na primeira colocação entre os estados onde mais pessoas do sexo feminino são mortas está Roraima, que alcançou o índice 15,3 assassinatos para cada 100 mil mulheres.1 mulheres no Brasil
Para se ter uma ideia do número absurdamente elevado de assassinatos de mulheres em Rondônia, juntos os índices de Santa Catarina, Piauí e São Paulo giram em torno de 3 mortes por 100 mil habitantes, isto é, a quinta parte de Roraima. Na redução, o Piauí divide posição somente de São Paulo, na comparação entre as capitais São Paulo (2.8%) e Teresina (5.4%).

Mesmo com o baixo índice do Piauí, os dados são preocupantes porque o estudo constata que após a sanção da Lei Maria da Penha, que destaca o rigor das punições para esse tipo de crime, os casos são registrados com frequência e aumentou entre os anos pesquisados. Somente Rondônia, Espírito Santo, Pernambuco, São Paulo e Rio de Janeiro houve registro de queda nas taxas após a vigência da norma.

MULHERES NEGRAS

A taxa de mortalidade da mulher negra no Piauí é 5 vezes maior que o da mulher branca. Os dados do Mapa da Violência revelam que 77 mulheres de cor branca foram assassinadas entre 2003 e 2013 no Estado. Já o número de negras mortas é de 304.

Em dados percentuais a vitimização negra corresponde a 87% do total de homicídios contra mulheres no Estado. Diante dos números, a pesquisa constata que a população negra é vítima prioritária da violência homicida no País e “cresceu de forma drástica” na década.

AGRESSOR

Em nível nacional, o volume de agressões por parte de pessoas desconhecidas é maior, mas não tão elevado, que as agressões por conhecidos: 4,6 milhões e 3,7 milhões de agressões, respectivamente. No Piauí, o índice é diferente: a maioria das mulheres é agredida por agressores conhecidos das vítimas. De 2003 a 2010, 38.668 mulheres foram agredidas por pessoas próximas ao convívio delas. Enquanto que 27.158, sofreram agressão de desconhecidos.

BALANÇO 2015

Neste final de semana um assassinato chocou a população piauiense. Uma mulher identificada como Ana Paula Nobre, 30 anos, foi assassinada com 29 facadas pelo ex-marido, no município de Colônia do Piauí, localizado no Sul do Estado.

A morte de Ana Paula é mais um amargo dado da estatística de violência de gênero. A coordenadora do Núcleo de Feminicídio do Piauí, delegada Ana Melka, revela que de julho a março de 2015, 25 mulheres foram assassinadas no Estado.

O Núcleo foi instituído este ano e tem como objetivo garantir que o inquérito sobre assassinatos das mulheres seja finalizado e crime punido. “Temos visitado cidades do interior para cobrar aos delegados que informações desse tipo de caso sejam repassadas de forma imediata ao Núcleo para que a autoria e materialidade do crime seja identificada o mais rápido possível”, disse a delegada Ana Melka.

A coordenadora do Núcleo adianta que no próximo ano o Piauí vai adotar diretrizes da Organização das Nações Unidas para investigar crimes dessa natureza. “ Ainda está tudo em fase de elaboração, mas queremos com isso garantir a melhoria do acompanhamento de casos feminicídios, coibindo esses assassinatos”, adianta a delegada.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *