Cabo da PM é presa acusada de dar tapa em assaltante no Piauí

A diretora de Comunicação Social da Polícia Militar (PM) do Piauí, coronel Elza Rodrigues Ferreira, confirmou, em nota aos veículos de comunicação que uma policial militar do 8º Batalhão da Polícia Militar (BPM), foi presa, no último dia 17, após ter sido denunciada, em vídeo, dando um tapa em um assaltante preso na região da zona Sudeste de Teresina.

Segundo ela, o comandante geral da PM do Piauí, coronel Lindomar Castilho, decretou a prisão cautelar administrativa, de uma policial, nos termos do artigo 11, parágrafo 2°, do Decreto Estadual n° 3.548/80, em consonância com o disposto no artigo 5°, LXI, da Constituição Federal de 1988, ao tomar conhecimento de um vídeo, em que a militar agrediu fisicamente um homem que realizou furtos e ameaças nas dependências da papelaria do estudante, na Avenida Principal, do conjunto Dirceu II, no dia 17 de abril, por volta das 12h.

Além disso, o coronel Lindomar Castilho determinou a Corregedoria Geral que proceda a instauração do inquérito policial militar para apurar apurar agressão contra o assaltante pela militar.

O vídeo não pode ser divulgado porque faz parte do processo administrativo que foi instaurado na Corregedoria Geral da Polícia Militar. Os responsáveis pela denúncia teriam argumentado que a cabo da PM teria desrespeitado o assaltante.

Com informações Meio Norte

Dentista é condenada a dois anos de prisão por injúria e racismo

A dentista Delzuite Ribeiro de Macêdo foi condenada, nesta terça-feira (16), a dois anos e quatro meses de reclusão, e três meses de detenção, pelo crime tentado de lesão corporal e pelos crimes de injúria racial e racismo qualificado. A decisão é do juiz da 1ª Vara da Comarca de São Raimundo Nonato, Carlos Alberto Bezerra Chagas. Delzuite Ribeiro era acusada de proferir ofensas contra uma bebê e a mãe nas redes sociais.

De acordo com a decisão, quanto ao crime tentado de lesão corporal, ficou evidente que a dentista tentou ofender a integridade corporal da vítima, Thaiane Ribeiro Neves, somente não consumando o crime por circunstâncias alheias à sua vontade. Os fatos foram corroborados através do depoimentos de testemunhas e da própria acusada, que confessou em juízo ter arremessado uma tesoura contra a vítima, que somente não a atingiu porque o esposo da ofendida, Emanuel de Castro Macêdo Rodrigues Belo, conseguiu fechar o vidro do automóvel. No momento do crime, a vítima estava com um bebê no banco do passageiro e por pouco não teria sido atingida pelo objeto.

Dentista foi presa pela Polícia Civil. (Foto: Divulgação/Polícia Civil)

Sobre os crimes de injúria racial e racismo qualificado, o magistrado decidiu que, mediante a utilização de postagens de cunho preconceituoso e racista em sua página do Facebook, a dentista ofendeu a dignidade da vítima, tendo praticado, ainda, com tais postagens, discriminação contra um número indeterminado de pessoas da mesma raça e cor.

“Não existe qualquer dúvida da ocorrência dos fatos em tela, da mesma forma que é inequívoca a intenção da Acusada de demonstrar a inferioridade das pessoas com tom de pele não branco. Sua vontade livre e consciente foi de afirmar que pessoas do tom de pele branco são superiores aos demais, como ficou demonstrado durante a instrução processual”, destacou o juiz.

Nas postagens, a dentista chegou a declarar que “não me interesso por gente que nunca chegará ao meu tom de pele” e ainda que “E de não querer misturar meu sangue for PRECONCEITO sim eu sou preconceituosa [sic]”. Para o juiz, as ofensas proferidas pela dentista não ofenderam apenas a dignidade da vítima, e sim, teria praticado discriminação contra as pessoas que não possuem tom de pele branco.

Quanto ao crime de ameaça, a vítima foi absolvida pela Justiça, pois, segundo o entendimento do magistrado, a instrução processual não conseguiu confirmar a existência do crime de ameaça narrado na denúncia. Apesar da condenação, o juiz revogou a prisão preventiva da dentista e concedeu à acusada o direito de recorrer em liberdade.

Por: Nathalia Amaral | Portal Odia

PRF apreende carga de cigarros contrabandeados na BR-343, em Parnaíba

No dia 12/04/2019 na BR 343 KM 33 no município de Paranaíba/PI, agentes da PRF realizaram a apreensão de cerca de 40.000 maços de cigarros contrabandeados que eram transportados em 02(DOIS) caminhões. O carregamento era transportado escondido entre caixas de verdura e foi detectado pelos agentes em uma abordagem de rotina.

A carga proveniente do estado de São Paulo, tinha como destino final a cidade de Imperatriz/MA. Juntamente com a carga foi apreendido também cerca de 28(VINTE E OITO) comprimidos de medicamento semelhantes à anfetamina.

Os dois Condutores, um de 32 e outro de 35 anos de idade, juntamente com os caminhões e as cargas apreendidas foram encaminhados para a Delegacia de Polícia Federal na cidade de Parnaíba/PI para os procedimentos que o caso requer. Ocorrência em andamento.

Nucom – PRF

Homem é esfaqueado na Praça do Amor em Parnaíba

No final da noite desta terça-feira (09) um homem que não teve seu nome revelado foi esfaqueado nas costas na Praça do Amor na Avenida São Sebastião, em Parnaíba.

Ainda não sabemos o motivo do esfaqueamento e nem o autor. O homem levou uma profunda facada nas costas e sangrava bastante. A vítima foi atendida pelos paramédicos do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU) e encaminhado ao Pronto Socorro do Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (Heda) para um exame mais detalhado.

Por José Wilson | Jornal da Parnaíba

Adolescente de 13 anos mata primo com várias facadas após discussão na cidade de Luís Correia

Um homem identificado como Josenaldo Araújo da Silva, de 29 anos, mais conhecido como Naldo, foi morto pelo primo, um adolescente de 13 anos, e dois tios, no final da tarde desta quinta-feira (04), após uma discussão no município de Luís Correia, litoral do Piauí.

Segundo informações do sargento Carlos Sousa, da Companhia Independente de Policiamento Turístico (CIPTUR), Josenaldo, que era sobrinho de Antônio Vieira da Silva, 40 anos, foi até a casa do tio provocá-lo e os dois começaram a se esfaquear.

Em seguida, o filho de Antônio, de 13 anos, e o irmão dele Roberto Vieira da Silva, 29 anos, chegaram e para defendê-lo foram para cima de Josenaldo desferindo várias facadas nele, que ainda foi socorrido pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e encaminhado ao hospital de Luís Correia, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Antônio foi ferido na mão, mas o ferimento não foi grave. Antônio, Roberto e o adolescente foram encaminhados para a Central de Flagrantes de Parnaíba para os procedimentos cabíveis.

Com informações GP1

Delegacia de Polícia Federal deflagra Operação “KHIZI” contra comércio de madeira ilegal em Parnaíba

A Delegacia de Polícia Federal em Parnaíba deflagrou na manhã de hoje, 03/04/2019, a Operação KIZHI, que desarticulou Organização Criminosa voltada para o comércio ilegal de madeira com atuação nos Estados da Bahia, Ceará, Maranhão, Pará, Piauí e Rio Grande do Norte.

Uma coletiva a imprensa foi agendada na Polícia Federal em Parnaíba as 10 horas da manhã desta quarta (03).

PF deflagra operação contra organização criminosa responsável pelo comércio ilegal de madeira — Foto: Reprodução/TV Clube

O inquérito policial foi instaurado em 2017 e a investigação revelou existência de conluio entre empresários do setor madeireiro, servidores públicos da SEFAZ e do IBAMA, todos para viabilizar o comércio e transporte interestadual de madeira sem origem comprovada.

O transporte e comercialização ilícitos era lastreado em Documentos de Origem Florestal inidôneos, e em notas fiscais produzidas com informações falsas sobre quantidade, espécie e valor da mercadoria.

Também foi descortinado esquema de pagamento de propinas a agentes públicos responsáveis pela fiscalização tributária e ambiental, atraindo a incidência dos delitos de organização criminosa, falsidade ideológica, uso de documento falso, inserção de dados falsos em sistemas, corrupção ativa e passiva, prevaricação, facilitação ao descaminho, sonegação de tributos.

A ação de hoje, que conta com a participação de 125 Policiais Federais de diversas Unidades da Federação tem como objetivo dar cumprimento a 29 mandados de busca e apreensão, 8 mandados de prisão preventiva e 9 mandados de prisão temporária expedidos pela Subseção Judiciária Federal em Parnaíba. Os mandados estão sendo cumpridos nos estados do Piauí, Pará, Maranhão e Bahia.

Operação cumpre mandados em quatro estados — Foto: Reprodução/TV Clube

Também foi determinada a apreensão de veículos usados para viabilizar o transporte de madeira, indisponibilidade de bens imóveis e bloqueio de ativos financeiros dos principais envolvidos. O cumprimento dos mandados contou com participação de Analistas do IBAMA e da Corregedoria do 2º Batalhão de Polícia Militar em Parnaíba.

O nome da Operação é em alusão ao conjunto arquitetônico situado na ilha de Kizhi/Rússia, composto por três edifícios eclesiásticos construídos apenas com encaixe de toras de madeira de pinheiros, sem a necessidade de uso de pregos ou parafusos, eleito como Patrimônio Mundial da Unesco em 1990.

Polícia Federa

Câmara Municipal de Parnaíba, contrata empresa para fornecer “Coquetel de luxo”

Vocês comem ou já comeram Camarão Empanado, Ovos de codorna e Chocolate quente? Vocês têm isso em casa? Vocês podem até não ter isso em casa, mas pagam por eles.

Enquanto a maioria dos Parnaibanos estão desempregados ou vivem com um salário mínimo, a Câmara Municipal de Parnaíba, contrata empresa para fornecer “Coquetel de luxo” para os vereadores e convidados durante as solenidades.

Tudo isso por a bagatela de R$16,500 (Dezesseis mil e Quinhentos Reais).

E aí, quem paga por isso?

Via facebook de Everaldo Chagas

Suspeito de esquartejar dois corpos em Parnaíba é preso no DF

Suspeito de participar de dois brutais assassinatos em Parnaíba foi preso no Distrito Federal, na noite de segunda-feira (1°). O preso foi identificado como Giovani Allison, e é natural de Teresina. Os corpos foram esquartejados e decapitados. O caso chocou o Piauí devido a crueldade. As vítimas foram torturadas antes da execução.

De acordo com o delegado Gutemberg Santos Morais, do 15ºDP – Ceilândia Centro (DF), o suspeito foi preso inicialmente por receptação e ao chegar à delegacia foi identificado o mandado de prisão preventiva contra ele.

“Ele foi autuado por recepção porque conduzia uma motocicleta roubada. Ao consultar o sistema, foi identificado esse mandado em aberto de Parnaíba, pesquisamos e soubemos desse duplo homicídio, que teve uma grande repercussão. Entramos em contato com os policiais do Piauí e tomamos conhecimento do caso. Disseram que ele era o último suspeito que faltava a ser preso”, disse o delegado.Gutemberg também informou que o preso deverá ser recambiado para o Piauí.

Sobre a prisão, o delegado destacou que os policiais militares visualizaram a motocicleta, que já tinha denúncia do roubo do veículo.

Homicídios brutais

Em março de 2018, dois corpos foram encontrados enterrados no quintal de uma residência no bairro Piauí, em Parnaíba.

Os corpos foram esquartejados, estavam amarrados e apresentavam sinais de torturados, antes da execução. As cabeças e partes do corpo estavam enterradas em buracos diferentes do terreno.

As vítimas foram identificadas como o professor de inglês Paulo Henrique Lima Caldas, natural de São Luís-MA, 47 anos e David Soares Maciel, natural de Parnaíba-PI, 29 anos.

Foram presos em participar desse crime: onas de Brito Martins, 20 anos, Franciely Oliveira Pereira, 23 anos, Francisco de Assis Júnior, 28 anos, um menor de idade, Luís Evangelista Guedelha, vulgo Lulu, 26 anos e Francisco de Assis Guedelha, 32 anos, sendo estes dois últimos irmãos.

Na época, o então coordenador da Delegacia de Homicídios, Tráfico de Drogas e Latrocínio de Parnaíba, delegado Eduardo Aquino, informou ao Cidadeverde.com que a motivação do crime foi uma suposta dívida por drogas. Nos autos, há relatos de que a dívida seria de R$ 20. No entanto, o delegado esclareceu que os suspeitos falaram em outros valores.

Com informações Cidade Verde

Delegado de Polícia Federal Orlando Moreira Nunes vira réu acusado de agredir ex-namorada

O delegado de Polícia Federal Orlando Moreira Nunes, lotado em Parnaíba/PI, foi denunciado à Justiça acusado de lesão corporal qualificada pela violência doméstica, crime tipificado no art.129, parágrafo 9°, do Código Penal, cumulado com os artigos 5º, inciso III e 7º, inciso I, da Lei n° 11.340/06 (Lei Maria da Penha). O delegado é acusado de arrastar a ex-namorada pelos pés por 30 (trinta) metros, lesionando as costas, pernas, braços e cabeça. A ação penal foi ajuizada no dia 25 de janeiro de 2019.

Segundo a acusação feita pelo Ministério Público, através do promotor Edilvo Augusto de Oliveira Santana, no dia 14 de novembro de 2018, por volta das 23h30min, o delegado vulnerou a integridade física da vítima L. F. de B.

Foto: Facebook/Orlando Moreira Nunes

A policial militar Amaria da Silva Sousa, chamada para atender a ocorrência, afirmou em depoimento que ao chegar ao local encontrou a vítima na calçada da residência chorando bastante e que segundo a mesma, além de ter sido agredida, tinha sido expulsa da casa do senhor Orlando. A testemunha relata ainda que visualizou que a mulher apresentava vários hematomas no corpo, principalmente nos braços e nas pernas.

Segundo relatos dos policiais militares que participaram da ocorrência, Orlando Nunes pediu para que o acompanhassem até a Delegacia de Polícia Federal de Parnaíba para que o mesmo buscasse seus documentos e sua arma, pois estava de plantão. Ao chegar à delegacia, o denunciado vestiu uma blusa da Polícia Federal, pegou sua pistola e negou ser conduzido à Central de Flagrantes, tendo os policiais desistido de fazer sua condução e encaminhado apenas a vítima.

A vítima, em seu depoimento, disse que teve um relacionamento amoroso com Orlando Nunes há dois anos e que estava na residência do mesmo para ajudar na organização de sua casa recentemente adquirida. Disse que por volta das 23h do dia do fato houve uma discussão entre ambos e que este a colocou para fora de casa arrastada pelos pés. Disse que foi arrastada por aproximadamente 30 (trinta) metros e jogada para fora de casa e que o ato ocasionou ferimentos nas costas, pernas, braços e na cabeça.

A vítima se dirigiu até o Instituto Médico Legal –IML para que fosse realizado o exame de corpo de delito, mas o médico perito plantonista não estava presente e ao entrar em contato telefônico, o mesmo “informou que não iria retornar ao IML, pois tinha tomado um remédio e estava em casa”(sic).

Delegado nega agressão

Em seu depoimento, o delegado Orlando Nunes disse que conhece a vítima há mais de 20 (vinte) anos e com ela teve um envolvimento amoroso há cerca de 03 (três) anos, mas nega que a tenha agredido.

Disse que a vítima estava hospedada há vários dias em sua casa e que informou que não se sentia confortável em deixar uma hóspede sozinha em sua casa. Que no dia do fato chegou em casa e encontrou a vítima sentada na borda da piscina tomando vinho e ao questionar sobre quando a mesma iria embora, esta teve um surto histérico. Por fim, disse que ficou preocupado com o risco de Luciana em sua casa pediu para que ela deixasse o local.

Juíza aceitou denúncia

Em decisão dada em 31 de janeiro deste ano, a juíza Maria do Perpetuo Socorro Ivani de Vasconcelos, da 1ª Vara Criminal de Parnaíba, recebeu a denúncia e determinou a citação do acusado para oferecer resposta a acusação.

A pena prevista para o crime é de detenção, de 3 (três) meses a 3 (três) anos.

Outro lado

O GP1 entrou em contato com a Polícia Federal em Parnaíba que informou que o delegado Orlando Nunes não está de plantão nessa quarta-feira (27) e que não era possível informar o número pessoal do delegado.

Raisa Brito | GP1

Três pessoas da mesma família são presas por tráfico em Parnaíba

A Polícia Civil do Estado do Piauí efetuou, na manhã desta quarta-feira (27), a prisão em flagrante dos irmãos Maique de Sousa Ferreira, Rafael Ferreira de Sousa e de Maria Joselina Gomes do Nascimento, esposa de Rafael, acusados de tráfico de entorpecentes. As prisões ocorreram em uma residência localizada na Rua Travessa Samuel Santos, bairro Piauí, em Parnaíba.

De acordo com informações da Polícia Civil de Parnaíba, após inúmeras denúncias anônimas realizadas por populares, dando conta da intensa movimentação de usuários de drogas no endereço das prisões, foi realizado um trabalho investigativo que confirmou a informação, ocasião em que foi solicitada a concessão judicial de busca e apreensão domiciliar.

Foto: Divulgação/PC-PI

Na manhã de hoje, os policiais se deslocaram até o local e deram cumprimento ao mandado. Foram encontrados na casa: quatro tabletes de maconha prensada, duas balanças de precisão, um revólver calibre .38, duas munições calibre .38 intactas, diversos aparelhos celulares, e a quantia de R$ 4.103,00 (quatro mil, cento e três reais) proveniente da venda de drogas.

Todos os três suspeitos foram encaminhados à Central de Flagrantes de Parnaíba para os procedimentos legais, onde permanecerão a disposição da justiça. Foram também encaminhados à Central vários usuários, que se encontravam no local da busca para adquirir entorpecentes, ocasião em que confirmaram em depoimento que estavam ali para a compra de drogas.

GP1