Polícia apreende quase R$ 3 milhões em notas falsas em apartamento

A Polícia Civil, por meio do 12º Distrito Policial, aprendeu no começo da noite desta quarta-feira (14) uma quantia aproximada de R$ 3 milhões em notas falsas, além de vários cartões de crédito roubados de vítimas de assaltos e arrombamentos. Ação se deu após os policiais terem sido acionados para atender à ocorrência de um assalto há uma loja de aparelhos celulares na Avenida Universitária, zona leste de Teresina.

Ao perceberem a aproximação da polícia os suspeitos fugiram em um veículo que foi seguido pelas equipes e parou em um condomínio de luxo próximo à Ladeira do Uruguai. Foi em um apartamento desse condomínio que os policiais encontraram o dinheiro falso e os cartões de crédito.

Delegado Ademar Canabrava (Foto: Maria Clara Estrêla/O Dia)

De acordo com o delegado Ademar Canabrava, titular do 12º DP, os suspeitos de praticarem um assalto e serem os donos do material apreendido fazem parte de um grupo criminoso que havia sido preso há três meses pela Polícia Civil realizando assaltos pela zona leste de Teresina.

“Nós fizemos o acompanhamento e fomos levados até esse apartamento no Condomínio Solaris. Imediatamente eu expedi uma ordem de entrada e durante a busca nós conseguimos encontrar todo esse material. Essas notas falsificadas, eles trocavam por notas verdadeiras no comércio inclusive havia envelopes com esse dinheiro endereçados a pessoas fora do Piauí”, explicou o delegado

Sobre os suspeitos a polícia, eles se encontram em liberdade. A polícia vai entrar com pedido de prisão preventiva contra o grupo que, segundo o o delegado, é formado por pelo menos quatro pessoas e conhecido em Teresina como “Playboys”. “Eles são especialistas em roubos e furtos de veículos além de arrombamentos a residência e agora temos essa suspeita de vínculo com uma quadrilha interestadual de falsificação de notas”, finalizou o delegado.

A polícia está verificando se há Boletins de Ocorrência registrados nos nomes das pessoas cujos cartões foram encontrados no apartamento para que seja informada da recuperação do objeto roubado.

Portal ODia

Polícia Federal prende mulher que tentava obter registro de psicóloga com diploma falso

Uma piauiense foi presa na sede do Conselho Regional de Psicologia 21ª Região – Piauí, na zona Leste de Teresina, ao tentar fazer o registro com um diploma falso. A prisão ocorreu na segunda (12) pela Polícia Federal.

O presidente do CRP 21ª Região, Eduardo Moita, explicou que há 15 dias a piauiense, do Sul do Piauí, que não teve a identidade revelada, solicitou a carteira profissional com um diploma de uma faculdade com sede em Pernambuco.

No processo de fiscalização dos documentos, os membros do CRP 21ª Região ligaram para a referida faculdade e constataram que a piauiense não estudou no local. Eles acionaram a Polícia Federal que conseguiu prender a suspeita no momento em que ela foi ao Conselho acreditando que iria receber a carteira profissional.

“A nossa equipe é experiente, já fez milhares de carteiras, e temos a fiscalização para verificar com cuidado o material para evitar problemas mais graves, como o social. Quando o diploma é do Piauí, a verificação é mais rápida, mas quando é de outros estados demora um pouco mais porque precisamos chegar se a faculdade existe, por exemplo”, comentou Moita.

“Ao entrarmos em contato com a PF, eles abriram um inquérito e confirmou a fraude. Então, o Conselho entrou em contato com a moça e quando ela chegou ao Conselho foi dado a voz de prisão”, acrescentou.

O curioso, segundo Eduardo Moita, é que o material do diploma, o papel-moeda, é verdadeiro, apenas o conteúdo com os dados da suspeita era falso.

Segundo Moita, a piauiense foi encaminhada a sede da Polícia Federal. A informação é de que ela responderá pelos crimes de falsidade ideológica e falsificação de documentos.

Moita ressaltou que no ano passado cinco pessoas foram presas por tentarem receber a carteira profissional com documentos falsos. Os cinco suspeitos eram do Maranhão e os diplomas eram de uma faculdade do Espírito Santo.

Por Carlienne Carpaso | Cidade Verde

Prefeito Ivanildo Paiva é assassinado no interior do Maranhão; corpo foi encontrado em matagal

O prefeito de Davinópolis (oeste do Maranhão), Ivanildo Paiva (PRB), foi assassinado na noite de sábado (10). De acordo com postagem no perfil do prefeito no Facebook, Paiva foi vítima de sequestro quando estava em sua chácara no povoado Jussara, no distrito de Davinópolis.

Segundo a nota na rede social, o corpo do prefeito foi localizado por volta das 9h desse domingo (11), no povoado Mata Grande.

A mensagem detalha que o prefeito foi levado na própria caminhonete, mais tarde foi localizada com manchas de sangue, nas proximidades do 50º Batalhão de Infantaria de Selva (50º BIS) em Imperatriz. A casa na chácara teria sido “revirada” e foram vistas manchas de sangue humano.

O inquérito sobre o assassinato está a cargo da Delegacia de Homicídio e Proteção a Pessoas.

O delegado regional de Imperatriz, Eduardo Galvão, confirmou o assassinato do prefeito. Segundo informações policiais, Ivanildo Paiva o prefeito tinha saído para dormir em sua fazenda, e, desde então, desapareceu.
O estudante Ivanildo Paiva Batista júnior, de 19 anos, filho do prefeito de Divinópolis, também foi assassinado em setembro de 2008.

Com informações do EBC

Homem é executado a tiros no conjunto Dom Rufino III em Parnaíba

Homicídio registrado por volta das 19hs 30 deste domingo(11), no conjunto Dom Rufino III em Parnaíba. A vítima identificada como FRANCISCO ROMÁRIO MENESES DA SILVA, 28 anos, foi baleada dentro do próprio veículo na garagem de sua residência naquele conjunto.

A informação é que o atirador teria chegado em um automóvel e feito os disparos quando a vítima ainda se encontrava dentro do carro. Cerca de 10 capsulas deflagradas foram encontradas na cena do crime.

Com informações portal do catita

Polícia prende quadrilha por tráfico de drogas em Luís Correia

Os dois maiores traficantes de Luís Correia, identificados como Edilson José Siqueira da Silva, de 30 anos e Ernésio Rodrigues Araújo, vulgo “Bate Asa”, de 33 anos, e mais três comparsas foram presos no fim da tarde dessa quarta-feira (07), por venda de drogas, associação para o tráfico, posse de arma de fogo e munições e maus tratos contra animais.

Segundo informações do delegado Eduardo Aquino, da Polícia Civil de Parnaíba, durante a operação os policiais realizaram busca em uma residência no bairro Alto Bonito. “Essa casa já era um alvo nosso, em vista da grande movimentação de pessoas, na compra de entorpecentes. Ontem, diante de tanta movimentação, nós resolvemos entrar”, afirmou o delegado.

Edilson e Ernésio são sócios no tráfico de drogas e possuem passagens por vários homicídios cometidos em Parnaíba e Luís Correia por disputa de venda de entorpecentes. Além disso, os demais comparsas foram identificados como Denis da Silva Araújo, de 46 anos; José Luís Pereira dos Santos, de 35 anos e Rony Célio Freitas Veras, de 30 anos.

Com os criminosos foram apreendidos durante a operação, fragmentos de substância análoga à maconha; mais de 25 mil reais em dinheiro que estavam escondidos em pequenos montes em vários locais da residência; um revólver calibre 38 com sete munições, além de vários galos utilizados para rinha.

Os acusados se encontram presos na Central de Flagrantes de Parnaíba. Nessa sexta-feira (09) irão passar por uma audiência de custódia e posteriormente serão transferidos para a Penitenciaria Mista Juiz Fontes Ibiapina, em Parnaíba.

Perícia constata que bebê morreu por traumatismo craniano em Cocal

O exame cadavérico realizado no corpo de um recém-nascido no município de Cocal, constatou que a causa da morte do bebê foi por conta de um traumatismo craniano. O caso começou a ser investigado pela Polícia Civil após os policiais receberem a informação de que a mãe da criança havia abortado.

Criança estava sendo velada em uma caixa de papelão

Em entrevista, a delegada Daniela Dinalli, que é responsável pelo caso, revelou que recebeu o resultado de maneira informal, mas que, de fato, foi constatada a causa da morte. “As investigações estão em andamento. Nós estamos providenciando as oitivas das testemunhas e acreditamos que, ao mais tardar, o inquérito policial seja finalizado em dez dias”, contou.

Relembre o caso

A Polícia Civil de Cocal iniciou as investigações acerca da morte de um recém-nascido ocorrida na manhã da última terça-feira (06), após receberem uma denúncia de que a mãe havia abortado a criança. Os agentes interromperam o velório, onde o corpo do bebê estava em uma caixa de papelão.

Polícia Civil interrompe velório de bebê em Cocal e remove corpo para investigação no IML

GP1

Garoto tenta esconder revólver de brinquedo ao ver a Polícia Militar, no Bairro São Francisco

Dois adolescentes ficaram nervosos com a presença da Polícia Militar e acabaram sendo apreendidos com posse de um simulacro de arma de fogo por volta das 18h30 desta terça-feira (06/11), em frente a Eletrobras Distribuição Piauí, no Bairro São Francisco, em Parnaíba. Uma guarnição do Moto-patrulhamento, comanda pelo sargento Gilson Alves, tendo como patrulheiro o cabo Madson Carvalho, fazia rondas quando avistou dois adolescentes de 13 e 14 anos, que apresentaram comportamento suspeito.

Mário Douglas Alves 13 anos e Nital Lima 14 anos

Segundo o sargento Gilson, o adolescente de 13 anos, trajando camisa amarela, se esforçava para esconder uma arma de fogo debaixo do pé; mas sem êxito. Diante do flagrante, ambos informaram que acharam a arma ali mesmo, que ao chegarem ao local já estava lá. Ao verificar a arma se tratava ser de brinquedo. Ambos foram levados para a Central de Flagrantes.

Por Daniel Santos | Portal Costa Norte

Polícia Civil interrompe velório de bebê em Cocal e remove corpo para investigação no IML

Atendendo a uma denúncia anônima, a Polícia Civil do município de Cocal, região Norte do Piauí, determinou que fosse interrompido o velório de um recém-nascido, do sexo feminino, para que o corpo fosse encaminhado ao IML (Instituto Médico Legal) de Parnaíba-PI, para a realização de exames de necropsia para apurar a causa da morte.

Criança estava sendo velada em uma caixa de papelão

Era por volta das 07 horas da manhã desta terça-feira (06/11), quando os policiais foram informados que uma jovem de 18 anos, de iniciais T.S.S., deu à luz em uma casa no Bairro Santa Teresinha, e o bebê veio a falecer de forma suspeita. Ao atenderem a ocorrência, os agentes constaram que o corpo estava sendo velado na casa da avó.

Muitos populares compareceram ao velório da criança

A mãe do bebê e alguns familiares informaram a polícia que a criança nasceu sem vida na casa de uma tia, por volta das 05 horas da madrugada. Após o parto, a mãe veio a desmaiar em decorrência de uma hemorragia, mas antes ela havia colocado o corpo do bebê em uma bolsa. O esposo de uma tia de T.S.S. a socorreu a encaminhando para o hospital da cidade, mas antes disso ele entregou a bolsa com o cadáver para que a avó de T.S.S. a enterrasse.

Criança estava sendo velada em uma caixa de papelão

A avó informou aos agentes que a sua neta, embora com sinais visíveis, sempre negou a família que estivesse grávida, passando todo o período de gestação sem acompanhamento profissional de um pré-natal. Disse ainda que o sepultamento estava previsto para ocorrer às 08 horas da manhã, sem o conhecimento das autoridades competentes.

Um inquérito policial foi instaurado e somente após o resultado do exame cadavérico é que será constatado se o caso se trata ou não de um infanticídio, conduta que consiste no ato de matar, sob o estado puerperal, o próprio filho, durante ou logo após o parto. A mãe do bebê está internada no Hospital Estadual Dirceu Arcoverde (Heda) em Parnaíba.

Bolsa em que a criança foi colocada após o parto

Por Wenddel Veras | Blog do Coveiro

‘Loba do Tinder’ é presa suspeita de dar golpes após fazer sexo; vítima perdeu 50 mil

A Polícia Civil do Distrito Federal prendeu, na segunda-feira (5), uma mulher conhecida como “Loba do Tinder”. Patricia Coutinho Pereira, de 29 anos, é investigada desde maio de 2017 pelos crimes de estelionato, difamação e extorsão.

De acordo com o delegado Ataliba Neto, a suspeita usava o aplicativo de relacionamento para aplicar golpes. Ela atuava em vários estados e, ultimamente, aplicava golpes no interior de São Paulo.

Segundo a polícia, Patrícia fez mais de 100 vítimas. Uma delas prestou queixa reclamando de um prejuízo de R$ 50 mil.

O delegado afirmou que a mulher aplicava os golpes pedindo empréstimos depois de se envolver sexualmente com as vítimas. Para conseguir o dinheiro, ela usava a desculpa de que um parente havia falecido e que, por isso, precisava ir ao velório.

Ainda de acordo com a investigação, Patrícia se apresentava como advogada ou empresária do ramo de cosméticos. Ela também ameaçava homens casados, diz a polícia.

Foragida

Patricia era procurada desde maio de 2018, quando a Justiça emitiu mandado de prisão contra ela. A “Loba do Tinder” foi condenada a 2 anos e 8 meses de prisão por comunicação falsa de crime.

“Ela estava sendo investigada pelos golpes no Tinder. Durante a investigação, em retaliação, ela fez uma denúncia falsa contra a vítima que a entregou na delegacia e fez outra denúncia falsa no Ministério Público contra mim”, afirmou o delegado Ataliba Neto.

“Ela disse que eu tinha praticado abuso de autoridade. Foi comprovado que era falso. O promotor a denunciou por denunciação caluniosa e ela acabou condenada”, prosseguiu.

“A prisão foi decorrente de uma estratégia dela de partir para o ataque, denunciar a gente de forma falsa. Então, ela acabou respondendo por esse crime também.”

G1

Jogador Daniel enviou uma foto da mulher de empresário para amigos após ter feito sexo

Mensagens trocadas entre o jogador Daniel e amigos mostram a “linha do tempo” do atleta momentos antes do crime. Daniel foi morto no fim de outubro em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

O empresário Edison Brittes Júnior confessou o crime, em entrevista. Ele alegou ter matado Daniel porque o jogador tentou estuprar a esposa do empresário, Cristiana Brittes.

Jogador Daniel foi assassinado

Edison Júnior, de 38 anos, Cristiana, de 35, e a filha do casal – Allana Brittes, de 18 anos – estão presos na Delegacia de São José dos Pinhais. As prisões são temporárias e têm validade de 30 dias.

‘Linha do tempo’

Daniel chegou a Curitiba às 21h30 de 26 de outubro, uma sexta-feira. Ele deixou as malas na casa de um amigo, tomou um banho e seguiu para a primeira festa da noite.

Depois, por volta da meia-noite, os dois foram para o aniversário de 18 anos de Allana, em outra casa noturna da capital paranaense. Eles tinham convites para o aniversário de Allana, que foram entregues pelo pai dela.

Às 5h40 da manhã de sábado, 27 de outubro, o amigo de Daniel foi embora. Então, o jogador disse que ia para a casa de Allana, onde a festa continuaria.

Às 6h36, Daniel mandou uma mensagem avisando o amigo que já estava na casa da aniversariante, em São José dos Pinhais.

Segundo uma testemunha que está sendo protegida pela Justiça, os convidados ficaram bebendo e ouvindo música.

A primeira pessoa a ir dormir foi Cristiana. Depois, outras pessoas também se recolheram. Ficaram na festa: Daniel, Edison Júnior e outras oito pessoas.

Às 8h07 da manhã de sábado, Daniel começou a mandar mensagens para outro amigo.

O jogador contou que estava na festa na casa de uma menina e que várias pessoas estavam dormindo. O amigo perguntou se ele estava bêbado, e Daniel respondeu com uma mensagem de áudio, dizendo que não muito.

Além disso, Daniel disse que, na casa, havia uma “coroa”, que ia ter relações sexuais com ela – que era mãe da aniversariante. Ele ainda contou e que o pai, Edison Júnior, estava junto.

O amigo, então, alertou Daniel para o perigo de ser expulso da casa. Daniel mandou uma foto ao lado de Cristiana, que parecia estar dormindo.

Novamente, o amigo alertou Daniel que ele poderia apanhar do marido de Cristiana.

Às 8h34, Daniel mandou mais uma foto ao lado de Cristiana e disse ao amigo que teve relação sexual com ela.

No minuto seguinte, Daniel mandou a última mensagem: “O que aparecer amanhã é nóis”. O amigo perguntou o que Daniel quis dizer, mas não recebeu respostas.

O corpo do jogador foi encontrado pela polícia duas horas depois, às 10h30 de sábado, em um matagal, com mutilações e sinais de tortura. Mas não havia identificação da vítima.

Em depoimento à polícia, um amigo de Daniel disse que ele e mais dois amigos criaram um grupo de mensagens no qual postavam fotos das mulheres que conquistavam. Geralmente a foto era tirada no momento em que a mulher estava dormindo

De acordo com a Polícia Civil, o órgão genital de Daniel foi cortado. O Instituto Médico-Legal (IML) apontou ferimento por arma branca como causa preliminar da morte.

O que disse o amigo

O amigo que hospedou Daniel disse à polícia que começou a ficar preocupado na noite de sábado porque o jogador estava desaparecido desde a festa, e os os dois tinham um compromisso.

Ele chegou a trocar mensagens com Allana, que relatou que Daniel tinha ido embora sozinho da casa dela.

No domingo, 28 de outubro, o amigo ficou sabendo que havia um corpo não identificado no IML. Ele reconheceu Daniel.

Contradições

A polícia tenta esclarecer o que ocorreu entre o começo da festa na casa de Allana até a morte de Daniel.

As versões apresentadas pela família Brittes, até agora, possuem várias contradições.

A polícia disse que Cristiana aparecia nas fotos tiradas por Daniel com a mesma roupa e colar que estava nas fotos do aniversário na casa noturna. Edison tinha dado outra versão.

Em entrevista à RPC, Edison Júnior contou que, quando chegaram da festa, ele vestiu o pijama na esposa e a colocou para dormir.

O empresário afirmou que precisou arrombar a porta, que estava trancada, quando ouviu a esposa gritar por socorro.

Porém, em um vídeo gravado pela defesa da família Brittes, Allana disse que abriu a porta do quarto e flagrou Daniel com a mãe

Edison Júnior disse que a faca que usou para mutilar e matar Daniel sempre esteve no carro.

Mas, uma testemunha que presenciou as agressões na casa da família disse que ouviu outra pessoa gritar que Edison Júnior tinha pegado uma faca, em meio à confusão.

Edison Júnior também negou que tivesse algum outro tipo de arma em casa. Contudo, o empresário tem dois Boletins de Ocorrências (B.O.) registrados contra ele, neste ano, envolvendo arma de fogo.

Em um deles, de junho, Edison Júnior foi parado pela polícia por dirigir em alta velocidade em uma avenida da capital paranaense. No do B.O de janeiro, a polícia foi chamada após disparos na casa do empresário.

Empresário Edison Brittes Júnior confessou o crime (Crédito: eprodução/RPC )

G1