Em dois dias, II Feirão de Automóveis do Servidor já vendeu R$ 3 milhões

Em dois dias do II Feirão de Automóveis do Servidor Público Estadual, o secretário de Administração e Previdência (SeadPrev), Franzé Silva, disse que o Banco do Brasil já aprovou R$ 3 milhões de créditos para a aquisição de carros nas concessionárias. Outra novidade é que o BB vai reduzir a taxa de juros que era de 0,99% para 0,89% a partir da última semana do feirão, que compreende o período de 19 a 26 deste mês.

O secretário Franzé Silva e os parceiros do feirão comemoram o resultado satisfatório em tão pouco tempo e estão otimistas que a edição atual deve ultrapassar a meta do ano passado, que atingiu um pouco mais de R$ 10mil de veículos vendidos.

“Isso é fruto de trabalho em equipe e motivado pelo desejo dos servidores estaduais de comprar o carro que tanto desejam”, explicou Franzé Silva, ao acrescentar que o feirão possibilita o financiamento em condições especiais para compra e troca de veículos novos e seminovos.

O secretário explicou que o financiamento do veículo pode ser feito em até 60 meses com 100% do valor do veículo. Entre as vantagens estão a carência de até seis meses para o pagamento da primeira parcela, a possibilidade de não pagar a parcela em dois meses por ano e taxas especiais a partir de 0,99% e que passará, em breve, para 0,89% junto às instituições financeiras.

Há outros benefícios através do feirão: fazer a economia girar e fomentar recursos para o Fundo de Previdência. Para isso, 0,5% de todo o volume de vendas vai ser aportado no Fundo de Previdência a título de taxa de administração.
O secretário da SeadPrev completou ainda que as instituições credoras não estão cobrando tarifas de cadastro ou avaliação. “O débito vai ser feito em conta corrente sem a necessidade de boletos e com a oportunidade do servidor utilizar o CDC Consignado e/ou CDC Salário para auxiliar na entrada e complementar o financiamento do veículo”, pontuou.

O público-alvo são todos os servidores públicos do Estado, policiais militares, bombeiros, ativos, inativos, comissionados e pensionistas dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, advogados regularmente inscritos na Ordem dos Advogados do Brasil (OAB/PI), qualquer profissional de Contabilidade, inscrito no Conselho Regional de Contabilidade (CRC-PI), jornalistas filiados ao sindicato da categoria e servidores das Prefeituras Municipais. Quem tiver interesse basta se dirigir à concessionária ou loja de seminovos de preferência e negociar diretamente com o gerente da empresa. Vale ressaltar que os servidores devem apresentar o último contracheque e documentos pessoais durante a transação comercial.

Por: Elinor Campos  | Ascom

Em dois dias, “vaquinha virtual” para viagens de Dilma bate meta de R$ 500 mil

A campanha de financiamento coletivo para custear as despesas com viagens pelo Brasil da presidente afastada, Dilma Rousseff (PT), alcançou a meta proposta de arrecadar R$ 500 mil por volta das 22h20 desta sexta-feira (1º). Foram necessários dois dias de campanha, que começou oficialmente na quarta-feira (29).

Foto: Lula Marques/ Agência PT
Foto: Lula Marques/ Agência PT

O dinheiro, entretanto, só poderá ser sacado assim que os organizadores da “vaquinha virtual”, duas mulheres que dizem ter militado junto com Dilma contra a ditadura militar (1964-85), encerrarem a campanha. Como não tinha prazo definido para acabar, a campanha poderá seguir mesmo depois da meta de R$ 500 mil alcançada.

Segundo o Catarse, plataforma escolhida para a arrecadação, a campanha “Jornada pela Democracia – Todos por Dilma” já bateu dois recordes de engajamento: é o projeto com mais doações recebidas em 24 horas; e o com o maior número de apoiadores. Na noite desta sexta-feira, a “Jornada pela Democracia” contabilizava o apoio de cerca de 7.400 pessoas.

E ainda poderá bater um terceiro recorde na história do Catarse, caso Guiomar Lopes e Celeste Martins, as amigas de Dilma, decidam seguir em frente com a campanha: a de maior valor nominal arrecadado.

O recorde em termos de arrecadação, segundo o Catarse, pertence à campanha “Mola”, que recebeu R$ 603,064 mil de seus 1.526 apoiadores. “Mola” foi um projeto na área de arquitetura que criou um modelo interativo que simula o comportamento de estruturas reais.

A campanha “Jornada pela Democracia” foi lançada como reação à restrição imposta pelo presidente interino, Michel Temer (PMDB), às viagens de Dilma pelo Brasil. O governo Temer decidiu que Dilma só poderia viajar com aeronaves da FAB (Força Aérea Brasileira) no trajeto entre Brasília e Porto Alegre, onde ela tem residência. A Justiça do Rio Grande do Sul depois autorizou as viagens de Dilma em aeronaves da FAB, desde que ela ressarcisse as despesas aos cofres públicos.

Os organizadores afirmam que “a presidenta Dilma precisa viajar pelo Brasil afora” para denunciar que “o impeachment é um golpe”.

Uol