Empresário da festa ‘Rodízio de Mulheres’ é preso

O empresário Ricardo Costa, suspeito de divulgar uma festa com ‘Rodízio de Mulheres’, foi preso ontem em Pouso Alegre (MG). Segundo a Polícia Civil, ele pode responder por exploração da prostituição e por destruir provas importantes para o processo. Ele foi preso preventivamente, ou seja, por tempo indeterminado.empresario-rodizio

O evento seria um “rodízio de mulheres”, onde o cliente pagaria “R$ 150 para entrar e ‘consumir’ quantas garotas aguentasse”. O cartaz anunciava que a festa seria “a mais louca e esperada de Poços de Caldas”. A divulgação salientava que proibida a entrada de menores de 18 anos e que seria exigida a apresentação do documento comprovando a maioridade. Em entrevista , o empresário pediu desculpas a quem se sentiu ofendido pela propaganda. “Minhas desculpas, porque eu nunca trataria mulher como objeto”, disse o proprietário da casa noturna, Ricardo Costa. Após a repercussão do anúncio e da interdição da boate, um novo cartaz foi divulgado. No lugar de “consuma quantas garotas aguentar”, estava a mensagem: “Pague R$ 150 e fique à vontade”.

Cartaz anunciava 'rodízio de mulheres' em festa prevista para Poços de Caldas (Foto: Reprodução)
Cartaz anunciava ‘rodízio de mulheres’ em festa prevista para Poços de Caldas (Foto: Reprodução)

O proprietário explicou que evento aconteceria com 35 garotas de programa na boate que funciona há mais de 1 ano na cidade. O responsável também comentou que o primeiro anúncio se espalhou pelas redes sociais e aplicativos de celular, e chegou a despertar o interesse de clientes do Brasil todo, que confirmaram presença na festa. “Nós já tínhamos caravanas marcadas do Mato Grosso do Sul, do Rio de Janeiro, Ceará, Maranhão e de São Paulo, pessoas confirmadas e reservadas”, lamentou.boate_interna

Nós temos uma preocupação com as garotas que trabalhariam nesta noite na boate, já que elas ficariam muito vulneráveis. É até uma questão de saúde também”, disse a presidente do Conselho dos Direitos da Mulher, Claudia Luciana ao denunciar ao Ministério Público de forma revoltada a festa do ‘rodízio’.

Polícia fará diligências em boate que oferece suposto rodízio de mulheres

Depois do anúncio da festa em que oferece um rodízio de mulheres por R$ 150 em Teresina se espalhar nas redes sociais, várias pessoas afirmaram que a imagem é falsa e que a mesma já circula até em outros Estados.

Banner que está sendo compartilhado em grupos no WhatsApp
Banner que está sendo compartilhado em grupos no WhatsApp

Segundo alguns depoimentos, uma imagem anuncia a mesma festa em Caldas Novas, no estado de Minas Gerais. “Noite do rodízio. Você paga R$ 150,00 para entrar e consome quantas garotas aguentar. A festa mais louca e esperada de Teresina”, diz o anuncio.

A suspeita de que a festa se trate de um evento falso aumentou depois da confirmação que a Boate 70 drinks, não haveria mudado o nome, como diz o anúncio. No cartaz, o endereço é de um local denominado Lua Nua Drinks, na Rua Rui Barbosa 3021, Centro de Teresina, próximo a Praça Saraiva.

Apesar das suspeitas de que se trataria de um anúncio falso, a polícia deverá realizar diligencias no local. Segundo o delegado geral Riedel Batista, a delegada Vilma Alves, preocupada com a situação, foi até a delegacia geral e conversou sobre o assunto.

“Ficou acertado que seria feita uma diligência no local para saber a veracidade dessa festa. As investigações estão a cargo da Delegada Vilma”, disse.Polícia fará diligências em boate que oferece suposto rodízio de mulheres

Suposta festa em THE oferece rodízio de mulher a R$ 150; polícia investiga

“Noite do rodízio. Você paga R$ 150,00 para entrar e consome quantas garotas aguentar. A festa mais louca e esperada de Teresina”.

O anúncio, de flagrante exploração sexual, ganhou as redes sociais e envolve a Boate Lua Nua Drinks, antigo 70 drinks, na Rua Rui Barbosa 3021, Centro de Teresina, próximo a Praça Saraiva.

A ‘festa’, da forma que está sendo anununciaa visa lucro, e deverá acontecer no dia 20 de novembro, a partir das 20 horas. Nela, além da questão econômica, a mulher também é tratada como objeto. Aos que quiserem ‘usá-las’, a Casa aceita até cartões de crédito.

A Lei 12.015, de 7 de agosto de 2009, que trata dos crimes de violência sexual contra a mulher e da prostituição, diz no seu artigo 228:
“induzir ou atrair alguém à prostituição ou outra forma de exploração sexual, facilitá-la, impedir ou dificultar que alguém a abandone: pena de 2 a 5 anos e multa”.

O artigo 229 da mesma lei prevê anida sanção penal para gerentes que mantém estabelecimento em que ocorra exploração sexual, haja, ou não, intuito de lucro ou mediação direta do proprietário ou gerente.

A festa do HIV

Nas redes sociais (precisamente no whatsapp), a ‘festa do rodízio’ já foi batizada de ‘festa do HIV’.

A delegada Maria Vilma Alves da Silva levou um susto no início da tarde desta segunda-feira (09/11), ao saber do anúncio da festa. “Isso é um absurdo. A mulher não é objeto. Ela não pode ser vendida. Ela não é mercadoria. Isso é abuso, é crime”.

Preocupada com a situação, Vilma Alves vai conversar sobre o assunto com o delegado geral Riedel Batista e com o secretário de Segurança, Fábio Abreu. “Isso não pode acontecer. Não vamos permitir. Vamos adotar providências enérgicas, usando o braço forte do Estado”.

Segundo caso em menos de um mês

No final do mês de outubro de 2015, o Ministério Público do Estado pôs fim ao ‘Pagode da Calcinha’ e interditou a casa de shows Subindo ao Céu, que oferecia R$ 100,00 para a mulher que subisse ao palco e tirasse a calcinha.

O anúncio foi entendido, pelo Ministério Público, como sendo um incentivo a prostituição e tratava a mulher como um objeto.

O caso foi denunciado, em primeira mão, pelo Portal AZ e ganhou repercussão nacional.

Com a repercussão, acabaram descobrindo até que a casa de show estava sem alvará de funcionamento e ela foi lacrada pela Prefeitura de Teresina.

Festa semelhante

Outro banner que circula nas redes sociais, anuncia a mesma festa, mas em Minas Gerais.

Por Walcir Vieira | Do Portal AZ